segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Álvaro Cristiano e Marco Antônio de Sena: Pernambuco Em Destaque no Xadrez Nacional



Todos sabemos da importância do Xadrez Escolar para o desenvolvimento intelectual e humano das crianças. Mas há casos onde a influência desse esporte transcende os limites educacionais e se torna uma paixão, uma paixão que se torna a cada dia mais séria a ponto de deixar de ser uma simples atividade e passar a ser parte integrante da vida de cada um.

Esse parece ser o caso de dois pernambucanos que encontraram no Xadrez Escolar uma fonte de motivação e uma paixão para suas vidas. Vistos como maiores exemplos de sucesso do emprego dessa atividade na infância, Marco Antônio Sena C. de Araújo e Álvaro Cristiano Miguelino de Souza, apesar da tenra idade, aos 14 e 12 anos, respectivamente, já são considerados experientes atletas em torneios por categoria, e alguns das maiores promessas do Xadrez nacional.

Essa afirmação poderia ser considerada tendenciosa, mas é apoiada por fatos irrefutáveis. Há pouco mais de uma semana, de 2 a 4 de Outubro mais especificamente, Marco Antônio e Álvaro Cristiano foram os representantes pernambucanos no Campeonato Brasileiro Escolar 2015, na cidade mineira de São Sebastião do Paraíso. E mesmo contra adversários do eixo Sul-Sudeste (regiões onde o esporte é mais difundido), Marco Antônio e Álvaro Cristiano, os únicos representantes das regiões Norte-Nordeste, obtiveram resultados de destaque no cenário nacional, ficando em 5° e 2° respectivamente.

Em entrevistas exclusivas para a Federação Pernambucana de Xadrez, os maiores contribuintes para as já premiadas carreiras dos atletas, Adelma Nicodemos, mãe de Marco Antônio, e Cristiano Afonso de Souza, revelaram um pouco da vida de seus filhos, e falaram da experiência de participar de mais um torneio nacional, confira:



Nome: Marco Antônio Sena C. de Araújo
Principal incentivador: A mãe, Adelma Nicodemos
Naturalidade: Recife/Pernambuco
Escola: Aos 14 anos de idade, é aluno do 8° ano do Colégio Santa Maria.
Técnico: MN Rafael Cabral, Armando Vasconcelos e MF Vinícius Tiné.









Principais conquistas no ano:

Campeão do FEPEC(Festival Pernambucano da Criança) - Categoria Sub- 14;
Campeão do FEPEJ (Festival Pernambucano da Juventude) - Categoria Sub-16;
Melhor Sub-18 do NORDESTAO Gov. MIGUEL ARRAES;
Campeão das etapas Regional e Estadual dos JEPS (Jogos Escolares de Pernambuco) - Categoria Mirim;
Tendo feito parte da equipe sub-18 campeã (IPFE - HGP) no Campeonato Pernambuco por equipes, onde jogou no tabuleiro 2 fazendo 4.0 pontos em 5 jogos.

Entrevista de Adelma Nicodemos (Mãe de Marco Antônio) à FPEX:


FPEX: Antes de mais nada parabéns pelo desempenho do Marco Antônio no torneio. Como você avalia a participação do Marco Antônio no Brasileiro Escolar desse ano?

Adelma Nicodemos: Foi uma competição de alto nível e de embates muito competitivos, na última rodada, os jogadores das duas primeiras mesas tinham a possibilidade de ser campeões, com 4.0 pontos. Para Marco Antônio ser campeão teria que vencer a sua partida e contar com o empate à mesa 2. Aí, não aconteceu o tão desejado empate e como o jogo de Marco estava totalmente empatado a ele só restava tentar ganhar no Blitz nos 5 min finais. Como o tempo era de 1:05 nocaute para cada jogador, entrou no blitz para o tudo ou nada, se vencesse seria vice-campeão poe não tinha dado empate na mesa 2 e mesmo ficando com a mesma pontuação de Álvaro perderia nos critérios. Aí foi para o tudo ou nada nos 5 min e estando ele numa posição que requeria pensar mais, seu tempo caiu. Terminando a competição com 4.0 pontos (3 vitórias, 2 empates e 1 derrota). O campeão foi Ricardo Teshima de SP.



FPEX: Apenas dois jogadores representaram a Região Nordeste nesse torneio, o Marco Antônio e Álvaro Cristiano. Como foi a preparação do Marco Antônio para essa competição?

Adelma Nicodemos: Marco na realidade não faz uma preparação direcionada para um torneio específico. Na verdade entre as inúmeras atividades que ele tem no dia a dia ele encaixa o Xadrez. Treina e joga Xadrez simplesmente porque gosta, não tem nenhuma pretensão de ser profissional do Xadrez. Com isso, dentro do possível, mantém a regularidade de 6h de aula de Xadrez por semana. O que ele joga hoje deve muito a Armando Vasconcelos, professor de Xadrez do Colégio Santa Maria, com o qual treina desde os 9 anos anos de idade e tem um jogo muito sólido, que hoje é uma característica dominante em Marco. De julho do ano passado pra cá passou a ter aulas com Rafael Cabral que a meu ver desenvolveu o lado de arriscar mais nas partidas. Passou a jogar bem também o jogo rápido. Final do ano passado começou também a ter aulas com Vinicius Tiné, o qual escuta sem maiores contestações e que tem muito o que passar para Marco.
Com isso ele ouve um, ouve outro e forma seu jogo. Nestes 2 últimos anos evoluiu muito. Há 2 anos atras seu jogo era inferior aos meninos da idade dele do sul/sudeste do país. Pela 1ª  vez ele chegou num Brasileiro na última rodada com chance de ser campeão. Chegaram os 4 jogadores empatados com 4 pontos.

FPEX: Qual foi a participação da escola (Colégio Santa Maria) nessa conquista?

Adelma Nicodemos: O Colégio Santa Maria só tem aula de Xadrez até o 6 ano, como ele já é do 8 ano não tem mais aula no Colégio. Treina com Armando, mas é aula particular. A contribuição do Colégio vem do fato que se ele não tivesse tido aula de Xadrez desde o 2 ano fundamental como grade curricular talvez não tivesse desenvolvido o gosto pelo xadrez ou talvez nem soubesse mexer as peças.
Dos 9 aos 12 anos ele só treinou no colégio com Armando. Jogou 2 torneios no Colégio e foi campeão. Se empolgou tanto que Armando levou ele para jogar seu 1 Nordestão com 11 anos de idade e competição na qual obteve a sua 1ª vitória sobre um adulto. Até aí eu não sabia da existência de torneios de categoria e muito menos tinha nada para jogar em Recife a não ser 1 Nordestao por ano.
No Nordestão do ano seguinte Carolina Alves do RN jogou com ele e falou: “Adelma, põe ele para jogar torneio de categoria que ele vai longe.” Foi a partir daí que eu passei a pesquisar e no ano seguinte, com 12 anos foi que ele jogou o 1º Brasileiro Escolar e como já citei anteriormente é que vi a necessidade de um treinamento diferenciado. A partir daí a evolução é notada por todos. O pessoal de SP falou que Marco tá jogando muito bem, perguntam com quem ele treina. O Campeão do Brasileiro deste ano falou para a mãe dele que a partida com Marco tinha sido a mais dura e difícil que tinha jogado. Tanto é que a partida estava empatada, Marco tentou ganhar e se tivesse ganho teria sido vice campeão.

FPEX: Quais as perspectivas de torneio para o futuro?

Adelma Nicodemos: Agora é dar continuidade aos estudos. Tendo como próximas competições os classificatórios do Pernambuco, o Sulamericano da juventude( categoria sub-14) na Bolívia  de 2 a 7/12 e o Panamericano Amador (rating até 1999) em Curitiba/PR de 15 a 20/12. E 2016 se as coisas derem certo, é começando o ano com o Floripa Chess.

FPEX: A Federação Pernambucana de Xadrez agradece a sua contribuição e deseja sucesso na carreira de seu filho, que por muito anos o Marco Antônio possa defender da mesma maneira brilhante o xadrez do nosso estado.


------------------------------------------------------------------xxx-----------------------------------------------------------------------


Nome: Álvaro Cristiano Miguelino de Souza
Principal incentivador: O pai, Cristiano Afonso de Souza
Naturalidade: Petrolina/Pernambuco
Escola: Aos 12 anos de idade, é aluno do 8° ano do Colégio Plenus.
Técnicos: Emídio José Santana e IM Renato Quintiliano




Principais conquistas:
Campeão Brasileiro Escolar em 2008, no 1 ano fundamental I em Poços de Caldas-MG;
Campeão Brasileiro Fenac 2009 em Londrina -PR, no Sub 08;
Campeão Brasileiro Escolar em 2009, no 2 ano fundamental I em Araxá-MG;
Campeão Brasileiro Escolar em 2010, no 3 ano fundamental I em Poços de caldas- MG;
Campeão Brasileiro Fenac em 2010 , no Sub 10 em Catanduva-SP;
Campeão Brasileiro Escolar em 2012, no 5 ano fundamental I em Juiz de Fora- MG;
Campeonato Panamericano em 2009, 7 lugar no Sub 08, em Mar Del Plata-Argentina;
Campeonato Panamericano em 2010 em Bento Gonçalves- RS, 3 colocado no Sub 08;
Campeonato Sulamericano em 2010, 3 colocado no sub 08 em Sucre-Bolívia.


Entrevista de Cristiano Afonso de Souza (Pai de Álvaro Cristiano) à FPEX, com participação direta do atleta:


FPEX: Primeiramente parabéns por mais essa conquista do Álvaro e pela forma como ele vem representando o xadrez escolar de Pernambuco ao longo dos anos. Álvaro, sua dedicação ao xadrez não atrapalha no seu rendimento escolar? Como você consegue conciliar as duas coisas?

Cristiano Afonso de Souza: É uma criança normal, brinca de cartas, joga bola, coleciona Manguás e torce para o Fluminense. Ele estuda no 8º  ano do Colégio Plenus, quer fazer Engenharia, só não escolheu ainda o ramo de atuação. No Colégio sua média anual oscila de 9,4 a 9,6.

Álvaro Cristiano: Não, estudo diariamente, sendo um dos melhores do meu colégio. Jogando e estudando muito. O Xadrez é uma parte da minha vida, onde nele estou determinado á vencer.

FPEX: Seus estudos são regulares? Quanto tempo você passa estudando xadrez?

Álvaro Cristiano: Duas horas por dia.

FPEX: Ainda sobra tempo para outras atividades? O que costuma fazer quando não está na escola nem estudando xadrez?

Álvaro Cristiano: Jogando bola, brincando de cartas, assistindo o meu Fluminense-RJ, lendo livros, lendo manguás e estudando.

FPEX: Quem é seu maior incentivador no esporte e o que pretende do futuro como jogador de xadrez?

Álvaro Cristiano: O meu Pai Cristiano, ele não mede esforços para conseguimos participar das competições no Brasil e às Vezes fora do Brasil. E meus principais objetivos são ser Campeão Pan-americano, Sul americano e ser um GM.

FPEX: Qual a maior dificuldade que você encontra no Xadrez?

Álvaro Cristiano: A maior dificuldade que encontro é falta de patrocínio, eu sou conto com “paitrocinador” e com ajuda do meu Colégio que é pouco, pois meus adversários fazem intercâmbio e com muitas horas de aulas com GMs e com os treinadores mais renomados do Brasil, e um grande poder econômico.

FPEX: Como você avalia a sua participação no último Brasileiro Escolar?

Álvaro Cristiano: Fui o vice Campeão do torneio, terminado empatado com o campeão, mostrei mais uma vez meu talento, disputando de igual para igual com todos os adversários e mostrando a força do xadrez do Nordeste, diante de muitos adversários do Sul e Sudeste. Com esse troféu, cheguei ao meu sétimo troféu em sete competições, sendo: 4 como campeão, 2 como vice e 1 como Terceiro colocado. Isso é um grande desempenho e um orgulho para mim, meus pais, meus treinadores, meus colegas e meu colégio e para todos que torcem por mim.

FPEX: Qual a próxima competição que você tem em mente?

Álvaro Cristiano: Gostaria de participar do SULAMERICANO em Santa Cruz na Bolívia que vai acontecer em Dezembro, só que falta patrocínio.

FPEX: Que conselho você daria a uma criança que quer se dedicar ao esporte? Alguma mensagem ou agradecimento final?

Álvaro Cristiano: Procurar se dedicar e treinar muito para chegar à perfeição, pois é um jogo que tem muitas estratégias. Agradeço primeiramente a Deus. A meu Pai, o meu maior incentivador, a irmã Clara Cristiane, minha fonte de inspiração, aos meus técnicos, o Emídio Santana de Petrolina e Renato Quintiliano de São Paulo.

FPEX: A Federação Pernambucana de Xadrez agradece a honra da entrevista e continuará na torcida para que continue nos representando tão bem e para que conseguir realizar todos os seus objetivos. Nosso muito obrigado.